verderameW

EXPOSIÇÃO MELANCOLIA

A mostra individual MELANCOLIA do artista visual Eduardo Verderame, será inaugurada no Instituto Volusiano no dia 19 de novembro, com instalações, desenhos e impressões inéditas, desenvolvidas especialmente para o espaço.

Baseada nos diversos estudos que Verderame tem realizados sobre a geometria projetiva, o artista pega emprestado o nome da célebre gravura de Albrecht Dürer para o título da exposição. Tendo como ponto de partida uma homenagem aos trabalhos sólidos platônicos do austríaco Wenzel Jamnitzer e sobre a série de quadrados mágicos coletados por Claude Bragdon, a mostra ainda tenta resgatar outros elementos presentes na gravura de Dürer como a passagem do tempo e a efemeridade da existência.

Melencolia I (B. 74; M., HOLL. 75) *engraving  *24 x 18.8 cm *1514

Melencolia I, Albretch Durer, 1514

 

Melancolia – uma exposição de Eduardo Verderame

            Em Pisa, na Itália, perto da famosa torre inclinada, existe o Museu da Sinopia. A sinopia era uma fase do processo de produção dos afrescos, técnica que consistia na pintura em uma base de gesso ou argamassa ainda úmida, daí o seu nome “a fresco”. A sinopia seria, por assim dizer, o rascunho do afresco: uma primeira camada de gesso onde era desenhado o esboço das figuras em um tom vermelho-amarronzado (um pigmento chamado sinopia). Esta camada servia como referência para o artista, que aos poucos ia cobrindo com a camada final.

Além de haver belíssimos desenhos, o Museu da Sinopia é fascinante por dois motivos:

1º Estamos vendo algo que todos os nossos antepassados (exceto os criadores dos afrescos originais), não viram, obstante ter centenas de anos.

2º Estas sinopias tem curiosamente aspectos comumente associados a pintura moderna e contemporânea: a aparência de inacabado, do rústico, com manchas diversas… Enfim, temos a arte dos mestres renascentistas, sem toda aquela parafernália que a pintura só conseguiu se livrar no final do século XIX.

Para mim, na poética de Eduardo Verderame, esta arqueologia visual, estas escavações arquetípicas tão presentes em seus trabalhos, cumprem uma função similar a da sinopia. Revelam algo ainda não visto nos antigos. Atualizam um olhar para algo que já foi muito olhado.

Verderame pesca em mares profundos, não só da história da arte, mas de outras histórias: medievais, matemáticas, simbólicas.

Assim, os sólidos platônicos de Wenzel Jamnitzer (1507-1585) se transformam em uma constelação cósmica. A abstração matemática dos quadrados mágicos revelam sua expressão puramente gráfica, seus encantamentos geométricos. Lembrando-nos que a arte antiga, a sua maneira, era bastante conceitual na forma de lidar com seus elementos. E que foi aí também, na Abstração Matemática, na Geometria Projetiva e na Lógica, que se balizou os fundamentos teóricos de onde eclodiria toda (r)evolução tecnológica que é chamada por muitos de Cibernética. Que nos fascina e nos apavora ao mesmo tempo, assim como o cavaleiro sem cabeça da obra Para Conhecer os Segredos da Guerra.

A peça, um recorte sobre placa de alumínio, apesar de seu aspecto absolutamente contemporâneo, tem em si a inquietação da busca de algo que se perdeu no passado. Uma inquietação que também vemos nos manequins e bustos das pinturas de De Chirico.

No tempo do eterno presente Verderame ousa olhar para a história. Puxa coisas lá de trás e joga para o “aqui e agora”. Ou vocês acham que a melancolia não é um tema atual? Cumpre esclarecer ao público, no entanto, que aquilo que os antigos chamavam de melancolia hoje em dia é identificado como “transtorno bi-polar”.

            O pathos melancólico foi explicado por Hipócrates e Galeno com base na teoria dos quatro humores que regulam o funcionamento do corpo e da alma. As oscilações da bile negra fariam do melancólico um ser inconstante, a um só tempo doentio e genial, impelido a criar para aplacar as oscilações de seu temperamento. (Maria Rita Kehl, artigo 4/set/11- caderno Ilustríssima Folha de São Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il0409201104.htm)

            Já a algum tempo existe uma crítica à ideia difundida socialmente de “obrigação de felicidade”. Vivemos no mundo dos sorrisos pasta de dente & felicidade margarina. Isso é fortemente pautado pela mídia e tem por consequência a medicalização das “doenças da alma”. Se por um lado, isto pode representar uma conquista da sociedade humana na luta contra o sofrimento, por outro aponta para uma tendência já alertada por Aldous Huxley em o Admirável mundo novo:   uma sociedade formada por seres totalmente medicados e condicionados a cumprirem o que se espera deles. E portanto, uma sociedade sem sofrimento, sem questionamentos, sem senso crítico.

A gravura de Dürer Melencholia I (1514) é extremamente emblemática, praticamente um tratado visual sobre o mundo em que o artista viveu. O mundo europeu que saía da era medieval para ingressar na chamada era moderna. Na história da arte este momento ficou conhecido por Renascimento e um dos seus aspectos mais significativos foi a redescoberta por estes seres medievais da arte Clássica da Antiguidade. Ideias presentes (consensuais) morrendo, ideias novas surgindo, ideias antigas sendo resgatadas e atualizadas. Basicamente um cenário de crise, de mudança.

Esta é uma das interpretações recorrentes da gravura de Dürer: o anjo central da figura está inquieto, inconformado, muito mais do que apenas triste e desesperançado….

Este é aquele momento que “cai a ficha” e nos damos conta que a realidade não é o que achávamos que era, ou o que gostaríamos que fosse: “a vida não é um passeio pelo jardim” como disse Boris Pasternak. E é claro que isso dói, machuca. E nos deixa tristes ou revoltados, porque aquilo que pensávamos existir não existe mais.

Nos damos conta da falta: a falta que nos move.

(Rogério Borovik)

 

os outrosw

 

IMG_2315w

IMG_2318w

IMG_2326w

IMG_2327w

IMG_2332w

IMG_2343w

IMG_7139w

IMG_7150webIMG_7168w

IMG_7174wIMG_7177web

IMG_7178web

IMG_7185web

IMG_7213web

IMG_7225w

IMG_7227w

IMG_7228w

IMG_7229w

IMG_7230w

IMG_7234web

Anúncios

0 Responses to “melancolia”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Páginas


%d blogueiros gostam disto: