MMM

DSC05356

MMM, Eduardo Verderame no CCSP, outubro de 2008

nota na revista DasArtes no. 2mmm72

“MMM” é uma instalação que fiz no Centro Cultural São Paulo, a abertura foi em outubro de 2008.

pintura na parede, vinil adesivo, impressão sobre poliestireno, azulejos sobre madeira.

o texto é da Gabriela Motta

EduardoVerderame – MMM
O primeiro trabalho que vemos ao se chegar à exposição de Eduardo Verderame
é um painel chamado Mandril/Mondrian. Nas cores puras do mestre holandês,
Eduardo reorganiza os módulos do painel, formando um rosto de macaco. Ao
entrarmos na sala expositiva propriamente dita, novamente encontramos
imagens de símios, agora em fotografias de experiências científicas realizadas
com macacos rhesus. Outra figura também nos aguarda nesse espaço: é o
registro de um homem que parece ter habilidades, forma física e conhecimentos
de uma tribo de primatas. Repetida diversas vezes, essa criatura ocupa uma
árvore, também plana, que completa o panteão de Verderame.
O que isso tudo tem a dizer? Que ironia se propõe a desestruturar os nossos
conhecimentos, reverências estabelecidas? Há algo de divertido e sarcástico
nas proposições plásticas encontradas aqui.



É divertido porque nos convida a olhar para um Mondrian como se fosse um
jogo de lego, em que é possível reordenar as peças conforme a vontade do
jogador, reatualizando uma operação duchampiana. Sarcástico porque uma
operação similar aparece em relação a nós mesmos, por meio dos testes
científicos com macacos rhesus, o mais próximo geneticamente do homo
sapiens.

A interferência do homem na cultura e na natureza reverbera a
contaminação entre seres vivos e o ambiente onde se encontram, evidenciada
aqui, tanto nas figuras de macacos assustados e se protegendo como no
homem primata adaptado ao mundo natural pela convivência.


A expressão desse olhar perspicaz sobre as coisas que nos rodeiam, revela-
se tão ambígua quanto a realidade pode ser. Homens-macaco de galho em
galho, macacos-cobaia em agonia, Mondrian, tudo adquire a planaridade de
imagens retrabalhadas graficamente, que ora nos remetem à cultura pop, ora
às experiências científicas que nos tornam demasiado humanos. Mas Eduardo
não é comprometido com nenhum desses pólos, é, antes de tudo, um crítico
dessas referências.
Aqualidade gráfica dos trabalhos apresentados é mais um artifício à la gestalt,
capaz de fazer com que a complexidade da experiência do homem no mundo
pareça simples. A partir de operações lúdicas e elementares, como a
multiplicação do ser primata ou o jogo com as peças de Piet, Eduardo cria um
ambiente cuja configuração divertida, deixa entrever uma tensão que nos
convida ao posicionamento diante do que nos cerca. A simplicidade aqui, sem
dúvida, é enganosa.


3 Responses to “MMM”


  1. outubro 24, 2008 às 6:33 pm

    Interessante e instigante, uma reinvenção , mescla de ciência e arte, oferecidos na cores focais de Mondrian.Poeta que sou, gosto da quase aliteração com a palavra mandril.
    paranéns, Eduardo -e sucessos amanhã.Divulgarei.Quando puder, caso queira liberar as imagens, postarei em um de meus blogs de divulgação cultural.http://achamarteblogspotcom.blogspot.com e http://chamarteblogspotcom.blogspot.com
    Clevane Pessoa de araújo lopes/Diret.Regional do Inst.Brasileiro de Culturas Internacionais.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Páginas


%d blogueiros gostam disto: