O primeiro e o último vôo, galeria Favo, 2006

Ave de Rapina em Vôo Rasante * Eduardo Verderame na Galeria Favo

DSCN0650sala1edu

DSCN0722sala2

A vida é uma fonte de alegria; mas onde quer que a canalha beba, envenena todas as fontes. Friedrich Nietzsche

Knock hard, life is deaf. Mimi Parent

O primeiro e o último vôos, este rasante. Do impulso primordial ao último movimento da civilização, trazendo em seu bojo a cultura latejante. O sentido que se constrói incerto, a partir de símbolos-alegorias-fragmentos-ilustrações de tempos pós-humanos, impactantes. Ruínas, despojos, índices de “civilização”; criação e abandono, grandes narrativas desconstruídas, demolidas, retumbantes; informação do mundo – diagnóstico? -, um mundo em que predomina o culto ao superficial e ao esvaziamento ético, ao qual a moral do bem-estar consumista também não trouxe qualquer alento, exasperante; onde práticas sociais são intermitentemente estimuladas, simuladas e esvaziadas do sentido da experiência, alienante; mundo em queintensidade e fugacidade, particular e universal convergem para um limbo híbrido e difuso, redundante. Onde processos progressivos de bestialização e de alienação se superpõem, anestesiantes. A dinâmica passiva do sucateamento da cultura, de seus aparatos e produtos – e o que mesmo chamamos de cultura? – e, por extensão, da vida é posta em xeque, dissonante. A natureza única da existência contemporânea e o inerente senso de dúvida e esvaziamento da mesma alimenta a humanidade em sua jornada rumo a um colapso que se anuncia, inexorável, acachapante. De onde advém a necessidade do enfrentamento dessa situação, do atrito como elemento gerador de uma positividade, jactante. E entrevê-se a idéia de que toda vida supõe um permanente estado de luta, condição básica que perpassa toda a história do pensamento humano, uma constante; daí a importância da linguagem como peça-chave num processo contínuo de auto-decepção humana -Nietzscheante. A inversão de valores agudamente identificada pelo velho Friedrich, ainda na sua “decadente” modernidade, culminando na crise destes mesmos valores, agora “ajustados” ao cânone superlativo-esquizofrênico da contemporaneidade – lancinante. No fundo deve-se procurar por todos os sentidos, ainda que estes se apresentem em chave desconexa, distante. Ao fim das contas o que parece prevalecer é a sensação de desencanto com o estado das coisas, e o empenho em enunciar “as condições de possibilidade das verdades”, instigante. Num ambiente dominado pelo relativismo qualquer compromisso soa como uma opção herética pela Verdade, pujante. Mudar não basta. É preciso não agir com esse grau de conformismo, como animais a caminho do abatedouro. Pílulas de niilismo lúcido, dropes de pessimismo salutar – ou nem um nem outro, apenas obra de um paladino, bufante? Respostas? Se há alguma – e sempre há os que as buscam – elas flutuam no vazio, no vôo cego – rapinante.

Guy Blissett Amado

dscn0026

dscn0028

dscn0029

dscn0021_1dscn0022_1

dscn0020

dscn0015_1

dscn0010_1

dscn0007dscn0006

dscn0005dscn0004

<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

dscn0003_2dscn0004_3

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Anúncios

3 Responses to “O primeiro e o último vôo”


  1. julho 7, 2010 às 6:15 pm

    gostei muito do seu trabalho, tinha visto algumas coisas já, mas está bem completo aqui. textos muito bons. parabéns. vou acompanhar.
    abraço
    leopoldo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Páginas


%d blogueiros gostam disto: